20 maio 2017
Haianne Thompson

Review de Série #05: 13 Reasons Why

Título: 13 Reasons Why
Criador: Brian Yorkey, Jay Asher
Canal: Netflix
Status: Em exibição
Ano: 2017 - Presente
Temporadas: 1
Classificação

A série 13 Reasons Why foi produzida pela Netflix e adaptada por Brian Yorkey. Tem como base o livro de mesmo título de Jay Asher.

A série tem como protagonista principal Clay Jensen, um garoto já apresentado aos espectadores no primeiro episódio como um garoto tímido e que é taxado como nerd. Um dia ao chegar a sua casa, Clay se depara com um pacote com o seu nome. Ao abri-lo, ele se vê frente a um mapa e algumas fitas cassetes, o que já é bastante estranho para a época em que vivemos. Ao começar a ouvir as fitas cassetes, Clay percebe que a voz nas gravações é de Hanna Baker, uma colega de escola que acabou de cometer suicídio. Hanna explica no áudio que essas gravações revelarão o porquê de ter colocado fim a sua vida, e explica também que serão 13 áudios compostos por pessoas que tiveram papel fundamental e essencial em sua última decisão. Além de dar instruções de que essas fitas deverão passar de pessoa para pessoa citada nos áudios conforme a ordem estabelecida por ela. E, assim, começamos a nos ambientar pelo universo no qual Hanna vivia com cenas que nos levam ao passado e ao presente. 

Bom, eu comecei a assistir a série por indicações de amigos já que a temática abordada no livro no qual foi baseada é algo presente em nosso dia a dia, o bullying. Eu, sinceramente, não esperava muito ao ver o primeiro episódio, já que não teria escolhido a série por atitude individual (e confesso que isso se dá pela correria do dia a dia). Mas eu digo, COM MUITA ENFASE, que os produtores e a Netflix fizeram um trabalho incrível ao apostar no conteúdo tratado no livro de Jay Asher. A série é muito bem desenvolvida e nos apresenta personagens com perfis os quais nos deparamos diariamente em nossas vidas, o que nos faz ter uma identificação já no primeiro momento com o seriado. Além do fato de que, ao fim de cada episódio, o espectador já começa a imaginar quem será a próxima pessoa citada na próxima fita já que cada episódio abordará um áudio relacionado a alguém que convivia com Hanna. E eu particularmente AMO quando uma série me deixa linkada com ela dessa forma, porque você vê que realmente o roteirista está fazendo um belo trabalho.

Eu não só recomendo a vocês leitores do blog que vejam essa série, como também (se pudesse) gostaria de obrigar as escolas a tornarem ela parte fundamental do currículo escolar. O conteúdo abordado pela série é algo vivenciado pela grande maioria das pessoas ao entrar no mundo acadêmico, principalmente os jovens. A série destaca um fato que não damos tanta importância no nosso cotidiano: as nossas ações. Com o nosso corre corre estabelecido por nossas atitudes rotineiras, as vezes nos esquecemos de que todas as nossas ações, por mais pequenas e insignificante que parecem para a gente, gerarão reações. E, como o ser humano é um ser pensante, as reações variam de indivíduo para indivíduo. Após cada episódio eu começava a refletir na quantidade de pessoas que passaram pela minha vida no ensino médio e que, algumas vezes, podiam lidar com problemas parecidos com os problemas da Hanna, mas que não tem coragem para expor e acabam se tornando pessoas marginalizadas pela sociedade (ou até mesmo tomando atitudes que denotam pedidos de socorro). E eu queria repetir, só mais uma vez, ASSISTAM A SÉRIE, que eu juro que vocês não se arrependerão.

Eu queria parabenizar também a todos os envolvidos na produção da série. A entrada mesmo sendo curtinha, já nos faz ver com o que seremos apresentados, o que faz com que vejamos a inteligência das pessoas que estão por trás da série. Uma coisa legal para anotarmos foi que ao lançar os episódios, os produtores também lançaram uma espécie de “por trás das câmeras”, no qual teremos os responsáveis pela série falando sobre o teor da série e nos fazendo ver o tanto que eles levaram a sério o trabalho de passar isso para a sociedade. Por fim, eu já estou esperando a segunda temporada para ver quais os temas que eles prepararão para a gente e como eles vão expor isso.
“Se uma borboleta bate as suas asas na hora e no lugar certos, pode causar um furacão a milhares de quilômetros”
Alguém ai já assistiu o seriado ou leu o livro? Deixa aqui nos comentários as suas impressões e reflexões sobre eles e falem se querem resenha do livro também. Aqui embaixo deixo o trailer da série para que aqueles que tenham interesse possam ver do que realmente se trata. Beijos :*

Comentários via Facebook

4 COMENTÁRIOS:

  1. Eu assisti a série. Não foi fácil. Foi preciso de mim muito esforço. Eu chorei com cada episódio. Eu vivi a série intensamente. Assistia um ou dois episódios por dia porque era pesado de mais pra mim. É necessário falarmos sobre isso, mesmo que seja difícil, como foi pra mim.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    Infelizmente não assisti a série. Não por falta de vontade, mas por ainda não ser assinante da Netflix.
    E quanto ao livro, fui procurar o preço e acredito eu , pelo sucesso da série, elevaram bastante o preço.
    Recentemente vi um vídeo do suicídio da personagem, e fiquei muito emocionada!
    Sou mãe. E me coloquei no lugar da mãe de Hanna. :(

    Séries, filmes ou livros do gênero, são ideais para repensarmos sobre os nossos atos.
    Respeito ao próximo é primordial!
    Mas sabemos que muitos jovens não de dão conta disso.

    Gostei da sua resenha!

    ResponderExcluir
  3. Haianne Thompson22 de maio de 2017 22:52

    Oi Janaína, tudo bem? Eu acho que você, como mãe, se emocionará muito com a série quando conseguir vê-la. Eu acho que ela veio em um ótimo momento e que tem nos proporcionado debates que antes não conseguiríamos ter com os adolescentes e adultos sabe?
    Fico feliz que tenha gostado da resenha :D
    beijos :*

    ResponderExcluir
  4. Haianne Thompson22 de maio de 2017 22:59

    Oi Lary, tudo bem?
    Também nao achei nada fácil assistir essa série sabe? Apesar que fiquei tão curiosa para descobrir de quem eram as fitas... e queria também chegar logo na fita do Clay, porque queria saber o que ele tinha feito para estar la... por isso eu assistia um atras do outro. Mas em algumas cenas precisei de tempo para digerir o que tava acontecendo...
    Acho que essas temáticas trazidas pela série e pelo livro demonstram coisas que, muitas vezes, acontecem com pessoas que amamos e nem nos damos conta sabe? Quero que o seriado seja uma porta aberta por onde entrem mais e mais livros e series que abordem esses assuntos difíceis sem romantizar muito..
    Obrigada por seu comentario.. beijos :*

    ResponderExcluir