23 fevereiro 2017
Nicoli Vieira

Resenha de Livro #214: A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard

Título: A Rainha Vermelha (#01 Série Rainha Vermelha)
Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
ISBN: 9788565765695
Ano: 2015
Páginas: 442
Classificação
 


Olá, leitores! Hoje trago para vocês a resenha de uma das minhas séries favoritas: A Rainha Vermelha, escrita pela autora Victoria Aveyard e publicada no Brasil pela Editora Seguinte.
“O toldo azul é meu farol, meu guia em meio ao pânico das ruas enquanto desvio tanto de vermelhos quanto de prateados. Geralmente, o caos é meu melhor amigo e deixa meu trabalho de ladra bem mais fácil. ” pág. 44
O livro é narrado em primeira pessoa pela Mare Barrow, e tudo acontece em Norta, um país pertencente a um mundo distópico, onde eles utilizam o sistema monárquico para governar a população. E seus habitantes são divididos em dois tipos: sangue vermelho, como se fosse a base da sociedade; e o sangue prateado, que engloba toda elite e realeza, e todas as pessoas dessa casta têm algum dom especial, mas algumas mais valorizadas do que outras.

Pois bem, todos os jovens que completam seus dezoito anos e não possuem um emprego são recrutados para a guerra, independentemente de seu gênero. E o melhor amigo de Mare, Kilorn, que já era maior de idade, perde o emprego e consequentemente é recrutado, mas a Mare tenta fazer de tudo para mantê-lo fora dessa chacina, independente do que ela terá que fazer.

Em uma de suas saídas para furtar, ela conhece um jovem misterioso de nome Cal, mal sabia que esse desconhecido era na verdade o príncipe herdeiro de Norta, e após conhecer toda a história da Mare ele resolve empregá-la no palácio. Como sucessor do trono, Cal, precisaria de uma rainha, então são chamadas as princesas de todos os reinos para apresentar seus poderes, quem se destacar ganharia a coroa de rainha. Enquanto acontecia as apresentações, a Mare se envolve em um acidente e cai em cima do campo de força elétrico, onde ninguém sobreviveria, mas nada acontece com ela e é nesse momento que ela descobre que mesmo sendo do Sangue Vermelho ela possui poder igual ou superior à dos prateados. Então o rei, com medo de que as pessoas descubram que uma Vermelha tem poderes, faz de Mare a noiva de seu segundo filho, o tímido Maven, e além disso tem o seu nome mudado para Mareena Titanos -filha de um general prateado morto na guerra-, e é nesse momento em que ela começa a ser tratada como um peão em um jogo de xadrez.

A partir desse ponto que a série começa a dar aquela engatada, há várias reviravoltas, luta pelo trono, triângulo amoroso entre a Mare e os príncipes (Cal e Maven), lutas de reinos contra reinos, vermelhos contra vermelhos, facções começam a surgir, traições, máscaras começam a cair revelando a verdade, além de muita ação e aventura.
“O mundo é prateado, mas também cinza. Não existem o preto e o branco” pág. 235
Bom gente, não tenho nada a declarar desse primeiro livro porque com certeza eu soltaria algum spoiler, só posso dizer que a Editora Seguinte está de parabéns com esse volume da Victoria. A parte da diagramação é esplêndida, na capa contém uma coroa prateada com sangue por cima, e tanto ela quanto o título estão em alto relevo, o livro possui os jacket, e logo na primeira folha encontramos o brasão de Norta. Sobre a Mare, ela é uma adolescente incrível, forte, batalhadora, destemida, e todas as características boas possíveis podemos dar à ela, mas como também é um ser humano ela contém defeitos.

Gostaria de ressaltar um ponto de que esse livro é uma mistura de “A seleção”, “Jogos vorazes”, “Divergente”, “X-Men”, etc; mas a autora conseguiu dar vida à tudo isso com uma diferencial dela, realmente essa obra de prende do início ao fim.

Além da “A Rainha Vermelha” temos “Coroa cruel”, “Espada de vidro” e o mais novo volume, “A prisão do rei”, e logo terá resenha aqui no blog para vocês.

Alguém já leu o livro? Me contem o que acharam, quero saber a opinião de vocês.

Comentários via Facebook

2 COMENTÁRIOS:

  1. Oi Nicoli,ainda não li o livro.
    Tenho um amigo que vive me aconselhando para lê-lo,mas ainda não li...
    Para ser sincera nunca fui muito fã de distopias, mas acho que essa história não para por aí. vai muito além.
    Há um Triângulo amoroso,aventuras (que adoro), e um mistério envolvendo Mare... Afinal ela tem poderes desconhecidos.

    Boa dica!

    Ah! Realmente a edição é linda!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Nicoli!
    Eu já li "A Rainha Vermelha", e posso dizer que fiquei com um ódio do Cal e da Elara, deu vontade de matá-los várias, e várias vezes, além de claro, do Tiberias, mas no final ele teve o que merecia kk. Também fiquei com raiva da Mare, ninguém é tão santo quanto aparenta ser, e estava na cara que o Cal ia aprontar alguma, porque ela era muito perfeito pra ser verdade. kk. E como sempre, me apaixonei pelo Kilorn e o Maven, são personagens fortes e com defeitos, e eu os amei.

    ResponderExcluir