30 março 2017
Iany Tavares

Resenha de Livro #224: Cidades de Papel - John Green


Autor: John Green
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580573749
Ano: 2013
Páginas: 368
Classificação:


Cidades de Papel foi escrito pelo autor John Green e publicado no Brasil pela Editora Intrínseca.

Sabe aqueles casos em que lemos aqueles livros só porque o filme saiu e não queremos spoiler lá no cinema? Então, foi exatamente nessa situação que li Cidades de Papel, um livro escrito pelo famoso autor John Green e publicado aqui no Brasil pela Intrínseca. 

Quentin é apaixonado por sua vizinha, Margo, desde a primeira vez que a viu. Margo não precisa ser popular para chamar a atenção, é somente ser Margo. Com seu estilo, seu carisma, seu jeito de ' eu não ligo para o mundo' e ' viva cada dia como se fosse o último dia de sua vida' ela consegue chamar mais atenção do que uma líder de torcida somente de biquíni! Até que uma noite Margo invade o quarto de Q pela janela - como ela costumava fazer quando eles eram crianças - e o convida para viver a melhor noite de sua vida. Depois de uma noite, que realmente foi a melhor noite dele, Margo desaparece, mas deixa algumas pistas para Q. Com isso Quentin e seus amigos embarcam em uma aventura contra o tempo para tentar achar Margo e levá-la para casa e para o baile de formatura. 

Bom, posso dizer, primeiramente, que não gostei muito desse livro. Cheguei até a largar a leitura algumas vezes, fazendo com que eu perdesse a vontade de ler sempre que o pegava na minha estante. Acho que a história tratada ali poderia ter sido abordada de uma outra forma, algo mais natural e menos complicada do que o autor fez, mas o meu problema não foi esse.

Acho que o que mais fez com que eu não gostasse do livro foram os personagens, não todos, mas alguns, principalmente Quentin. Na minha opinião, ele deixou, em diversas ocasiões, o sentimento que ele sentia pela Margo atrapalhar sua amizade com seus amigos, e eu gostava muito deles. Margo também me decepcionou um pouco, achei que a personagem, em alguma ocasiões, era um pouco forçada e não se encaixava corretamente na trama. 

Bom, já que falei dos lados negativos, nada mais justo do que falar dos positivos, não é mesmo? A amizade desse livro mostra que não precisamos somente de um amor para viver, mostra que precisamos de amigos, e como eles são valiosos nas mais diversas situações. Como já falei, eu gostei muito dos amigos de Quentin. Achei que eles salvaram completamente o livro para mim, e foram os personagens que eu mais gostei na história. A amizade entre os três era linda e inspiradora! 

Ano passado, houve a adaptação do livro para o filme, e posso afirmar que o filme está bem interessante e até mais divertido de ver do que o livro. No filme, vemos a participação de Cara Delevingne, Natt Wolf e Halston Sage.

28 março 2017
Iany Tavares

Resenha de Livro #223: O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase

O Príncipe dos CanalhasTítulo: O Príncipe dos Canalhas (#01 Série Canalhas)
Autor: Loretta Chase
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580413991
Ano: 2015
Páginas: 228
Onde Comprar: Amazon | Submarino | Livraria Saraiva| Lojas Americanas
Classificação


O Príncipe dos Canalhas foi escrito pela autora Loretta Chase e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro.

Em O Príncipe dos Canalhas , um romance escrito por Loretta Chase, vemos o desenrolar de um romance de época entre o Lord Dain e Jessica, que, na primeira vez que se encontram, sentem uma atração inexplicável um pelo o outro, mas, por teimosia e outros motivos, eles negam essa atração a qualquer custo, fazendo com que o leitor queira devorar o livro para saber logo do final.

Jessica definitivamente é uma das minhas personagens favoritas. Apesar de ser um romance de época, vemos uma mulher, de 27 anos e solteira (algo muito criticado), forte e destemida como a protagonista desse livro, fazendo com que a minha concepção sobre as mulheres daquele tempo tomassem um outro rumo.Já o Sebastian, também conhecido como Lord Dain, como já sugere o título, é um canalha de primeira. Conhecido pela sociedade francesa como um homem nada respeitoso e honrado, ele passa suas noites com variadas mulheres em sua cama, não desejando nenhum compromisso com alguma delas.

Mas o destino, como sempre, coloca esses dois frente a frente na mais inusitadas da situação: Jessica quer achar seu irmã e Sebastian é a pessoa que está levando Bertie, irmão dela, para um caminho perigoso. 

Com o passar da leitura, eu me apaixonei de uma forma inexplicável pelo Lord Dain, pois, com a sua aproximação com Jessica, vemos um pouco sobre sua história e seu passado, fazendo com que algumas de suas atitudes sejam justificadas.Esse livro é realmente surpreendente e cheio de reviravoltas. Não achei que a maioria das coisas que aconteceram iriam acontecer, e isso fez com que eu tivesse diversas surpresas com o decorrer da leitura. Um fato positivo da leitura é que a história é narrada em terceira pessoa, mostrando tudo o que está acontecendo com os personagens e a sua volta. 

O príncipe dos Canalhas é o terceiro livro da série Scoundrels, mas a editora que publicou no Brasil, arqueiro (uma de nossas editoras parceiras) não seguiu a ordem da série, publicando os livros de forma independente, já que cada história trata-se de um casal diferente e fazendo com que O Príncipe dos Canalhas fosse o primeiro livro da série Canalhas. 

E você, já leu esse livro? Eu adoraria ter um Lord Dain para mim, você não?

23 março 2017
Nicoli Vieira

Resenha de Livro #222: Álbum de Casamento - Nora Roberts

Autor: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580412215
Ano: 2013
Páginas: 279

Classificação

Álbum de Casamento é o primeiro livro da série Quarteto de Noivas, escrito pela autora Nora Roberts e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro.
“O amor assusta e, às vezes, é passageiro. Mas vela a pena correr os riscos e ficar nervosa. Até se machucar vale a pena.”
Álbum de casamento dá origem à uma série de livros que tem como trama principal quatro amigas que juntas construíram uma empresa chamada “Votos”, onde elas mesmas produzem tudo o que um grande casamento precisa. Parker é a gerente administrativa, Emma a florista e decoradora, Laurel a responsável pelos bolos e Mac é a fotógrafa.

Esse primeiro volume conta a história de Mackensie Elliot, a ruiva fotógrafa. Quando era pequena seus pais não possuíam um casamento saudável, e isso a tornava infeliz, fazendo com que suas três melhores amigas tornassem seu porto seguro. Depois de adulta, tudo o que restou à ela foi sua profissão, a Votos, suas amigas e sua mãe, com quem não possui um relação digna de mãe e filha.

Em contrapartida temos Carter Maguire, um nerd, tímido e bem sedutor (colírio para qualquer leitora louca), e claro, que possuía um amor platônico pela Mac. Mas após se mudar de cidade para cursar uma universidade ele perdeu contato com suas amigas. Porém, dez anos depois ele está de volta à cidade para dar aulas de inglês e para o casamento de sua irmã, o que ele não sabia era quem iria programar toda essa festa. Agora Carter está disposto a se entregar com todos os sentimentos à Mac, mostrando à ela que ele deixou de ser aquele menino bobinho da adolescência.
"Ser feliz para sempre talvez fosse conversa fiada, mas ela sabia que queria tirar mais fotos de momentos que fossem felizes. Porque, assim, eles permaneceriam para sempre."
Eu sou suspeita em falar sobre essa série, porque ela me ganhou em todos os aspectos. O livro é narrado em terceira pessoa, logo de início percebemos a interação desde a infância dos personagens até a criação do “Votos”. Essa obra possui um romance leve, descontraído, engraçado e digno de filme, mas claro, não podemos esquecer algumas partes picantes que o livro apresenta, só uma coisa: O Carter não é nenhum pouco tímido. 

A leitura é muito prazerosa, são 279 páginas lidas em um piscar de olhos. A diagramação é encantadora, páginas meio amareladas e sem erro de revisão, a Arqueiro como sempre bem atenta aos detalhes. Recomendo a leitura para qualquer um, realmente vocês não irão se arrepender (é o que eu espero rs). 

E vocês, já leram a série completa ou só esse livro?

21 março 2017
Haianne Thompson

Resenha de Livro #221: Simplesmente o Paraíso – Julia Quinn

Autor: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580416626
Ano: 2017
Páginas: 272

Classificação:

Simplesmente o Paraíso foi escrito pela autora Julia Quinn, e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro.

Para que possamos comemorar a vinda da nossa incrível Julia Quinn, eu resolvi trazer para vocês a resenha do primeiro livro do Quarteto Smythe-Smith, Simplesmente Paraíso, recentemente lançado pela Editora Arqueiro aqui no Brasil. A Julia ficou no Brasil desde o dia 05/03 até o dia 12/03 e, nesse período, visitou algumas cidades para a divulgação e lançamento da série.

Eu, como uma boa fã dessa incrível autora, acabei aproveitando o feriado de carnaval para ler o primeiro livro, que vai narrar a história de Honoria Smythe-Smith e de Marcus Holroyd. Honoria e Marcus se conheceram ainda crianças por intermédio de Daniel, irmão de Honoria e melhor amigo de Marcus. Marcus, filho único de um conde viúvo e muito ausente. Assim, ao se tornar amigo de Daniel na escola, começa a frequentar a casa dos Smythe-Smith tornando-se quase da família. Ao ficarem mais velhos, Daniel, se aproveitando do título de sua família, acaba fazendo um inimigo em uma noitada de diversão e acaba tendo que se afastar de Londres. Com isso, ele pede ao melhor amigo que cuide de sua irmã. Honoria, já mais velha, faz parte do Quarteto Smythe-Smith, que encena anualmente um musical tradicional dos Smyhte-Smith, e para integrar esse quarteto não importa se você toca bem ou não, basta estar em idade de debutar e uma das quatro integrantes do quarteto se casar (porque depois de se casarem elas obrigatoriamente tinham que abandonar o quarteto). Marcus cumpre a promessa feita a Daniel e sempre afasta de Honoria dos partidos ruins... Só que em uma dessas vigilâncias a Honoria, ele acaba se ferindo gravemente e a moça, que foi indiretamente a culpada do ferimento, se vê obrigada a ajudá-lo. Mas.. Será que o sentimento de ambos continua sendo de irmandade ou algo mudou ao longo dos anos?

Eu sou muito suspeita ao falar sobre livros escritos pela Júlia. Eu simplesmente AMO as histórias que ela cria, e uma das coisas que mais gostei nessa nova série foi que ela trouxe alguns personagens da série "Os Bridgertons" (que prometo fazer resenha depois para vocês porque vale MUITO a pena). E, por amar, a Júlia eu acabei esperando MUITO desse primeiro livro, MAS... Eu sinceramente fiquei um pouco desapontada com a narrativa inicial porque em alguns momentos parece que a história não fluía sabe? Só que, por saber que a história se desenrolaria, eu continue firme e forte na leitura e digo que não me arrependi! Do meio para o final a história tem bons capítulos e a história se torna fluida de ler.

Assim, eu indico FORTEMENTE esse primeiro livro para vocês. É mais um romance de época ambientado em Londres e a Júlia, como sempre, descreve muito bem as situações e faz com que você se sinta presente nos momentos vividos pelos personagens. Isso foi tão verdade que eu senti a aflição das primas que tocariam no musical do ano dos Smythe-Smith por não se acharem boas o suficiente, o que realmente elas não são :#. Eu gostei muito da protagonista Honoria, ela demonstra respeito pelas tradições, uma determinação sem igual e um amor por sua família, o que, em alguns momentos, fez com que eu me identificasse com ela e pensasse que, se tivesse em seu lugar, agiria exatamente igual!

E aí, vocês já leram algum livro dessa série ou da autora da série? Conta pra gente aqui nos comentários e até a próxima!

18 março 2017
Nicoli Vieira

Novidades Literárias de Março/2017: Editora Arqueiro e Sextante


Irmãos de Sangue, de Nora Roberts
 
A misteriosa Pedra Pagã sempre foi um local proibido na floresta Hawkins. Por isso mesmo, é o lugar ideal para três garotos de 10 anos acamparem escondidos e firmarem um pacto de irmandade. O que Caleb, Fox e Gage não imaginavam é que ganhariam poderes sobrenaturais e libertariam uma força demoníaca.

Desde então, a cada sete anos, a partir do sétimo dia do sétimo mês, acontecimentos estranhos ocorrem em Hawkins Hollow. No período de uma semana, famílias são destruídas e amigos se voltam uns contra os outros em meio a um inferno na Terra.
Vinte e um anos depois do pacto, a repórter Quinn Black chega à cidade para pesquisar sobre o estranho fenômeno e, com sua aguçada sensibilidade, logo sente o mal que vive ali. À medida que o tempo passa,

Caleb e ela veem seus destinos se unirem por um desejo incontrolável enquanto percebem a agitação das trevas crescer com o potencial de destruir a cidade.
Em Irmãos de sangue, Nora Roberts mostra uma nova faceta como escritora, dando início a uma trilogia arrebatadora em que o amor é a força necessária para vencer os sombrios obstáculos de um lugar dominado pelo mal.



Quando a Bela Domou a Fera, de Eloisa James
Eleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, Quando a Bela domou a Fera é uma deliciosa releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos. Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.

Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.



O Sol Também é uma Estrela, de Nicola Yoon
Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.

Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.

O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?



A Chave de Rebecca, de Ken Follett
Norte da África, Segunda Guerra Mundial. As tropas britânicas na região estão sofrendo perdas significativas. Não há dúvidas de que alguém está informando o inimigo sobre os movimentos e planos estratégicos do exército britânico.
O espião é conhecido por seus compatriotas alemães como Esfinge, mas para todos os outros é o empresário europeu Alex Wolff. Após cruzar o deserto, ele chega ao Cairo, no Egito, munido de um rádio, uma lâmina letal e um exemplar do livro Rebecca, de Daphne du Maurier. Violento e implacável, ele está disposto a tudo para cumprir a missão que recebeu.


Para isso, conta com a ajuda de uma dançarina do ventre tão inescrupulosa quanto ele. O único homem capaz de detê-lo é William Vandam, oficial da inteligência britânica que precisa desvendar o enigma do Esfinge para interromper o avanço dos nazistas. Ao mesmo tempo que os alemães chegam cada vez mais perto da vitória final, Vandam também se aproxima de seu adversário, da chave que revela o código escondido no livro – e do combate mortal...



Jardins da Lua, de Steven Erikson
Desde pequeno, Ganoes Paran decidiu trocar os privilégios da nobreza malazana por uma vida a serviço do exército imperial. O que o jovem capitão não sabia, porém, era que seu destino acabaria entrelaçado aos desígnios dos deuses, e que ele seria praticamente arremessado ao centro de um dos maiores conflitos que o Império Malazano já tinha visto.

Paran é enviado a Darujhistan, a última entre as Cidades Livres de Genabackis, onde deve assumir o comando dos Queimadores de Pontes, um lendário esquadrão de elite. O local ainda resiste à ocupação malazana e é a joia cobiçada pela imperatriz Laseen, que não está disposta a estancar o derramamento de sangue enquanto não conquistá-lo.

Porém, em pouco tempo fica claro que essa não será uma campanha militar comum: na Cidade do Fogo Azul não está em jogo apenas o futuro do Império Malazano, mas estão envolvidos também deuses ancestrais, criaturas das sombras e uma magia de poder inimaginável.



A Vida Secreta das Árvores, de Peter Wohlleben

“Quando descobrimos a verdadeira natureza das árvores – esses seres enormes que lutam pela sobrevivência ao longo de séculos e superam todo tipo de dificuldades –, nós nos perguntamos: ‘Como elas conseguem?’ Este fascinante livro nos oferece a resposta, não em tom de artigo científico, mas de uma conversa agradável com um grande amigo.” – Hope Jahren, professora da Universidade de Oslo, Ph.D. em paleobiologia

E se tudo o que você sempre pensou saber a respeito das árvores estivesse errado? E se, apesar de tão diferentes de nós, descobríssemos que elas compartilham diversas características dos humanos?

 
O Livro Ilustrado dos Maus Comportamentos, de Ali Almossawi
  
Diante das discussões cada vez mais absurdas nas redes sociais, Ali Almossawi resolveu resgatar uma dose – necessária e urgente – de lógica para a era da internet. O resultado é este livro acessível, que explica, com divertidas ilustrações, as 19 principais falácias que tornam insustentáveis tantos argumentos e debates.

Você aprenderá a reconhecer frequentes abusos da razão, como a falácia do espantalho (em que se deturpa o argumento do outro para poder atacá-lo com mais facilidade), o apelo a uma autoridade irrelevante e a bola de neve (em que uma proposição é desacreditada sob a alegação de que levará inevitavelmente a uma sequência de eventos indesejáveis).

 
O Que o Câncer me Ensinou, de Sophie Sabbage
 
“Meu câncer é sistêmico e incurável, mas estou vivendo com ele. Na verdade, estou me fortalecendo com ele. Se eu considerar as estatísticas, as previsões e as probabilidades, sou um caso perdido. Mas prefiro não fazer isso.

Opto por entender a doença sem me entregar a ela, me resignar sem sucumbir, gritar meu nome do alto das estatísticas antes que minha identidade seja soterrada no frio anonimato dos números.
Dedico os dias, as horas e os minutos a prolongar a vida, com a inabalável intenção de criar minha filha até ela se tornar adulta, de envelhecer com meu amado marido e de fazer a diferença que gosto de pensar que vim ao mundo fazer.

Não tenho qualificação para ajudar você a superar o seu problema. Mas sou qualificada para ajudá-lo a superar o seu condicionamento, o que acredito também ser essencial para o processo de cura.


Nate é um Estouro, de Lincoln Peirce
Nate está arrasando!

Nate está apaixonado pela aluna nova. Mas depois que a briga dele com Andy ganhou as páginas do Clarim Semanal, ele arrumou um problema BEM maior do que o castigo depois da aula! Será que Nate vai dar a volta por cima? E será que a Taça de Lama anual vai ser um estouro... ou uma bomba?









Senhora das Águas, de Pedro Siqueira
 
Psicóloga experiente, Gabriela sempre tratou a religião como crendice ou truque da mente. Quando sua mãe fica doente, ela acaba se aproximando do capelão do hospital, padre José, mais em busca de apoio do que por uma questão de fé. Após o falecimento da mãe, Gabriela mantém contato com o sacerdote, confortável pelo fato de ele não procurar convertê-la.

Porém, depois de pouco mais de um mês, a psicóloga tem uma notícia devastadora: uma grave doença se alastra por seu corpo. Como lidar com a mente dos pacientes se a sua própria já não parece funcionar mais?

Ao revelar o caso a padre José, Gabriela recebe um conselho: viajar para Lourdes, uma cidade famosa pelos milagres de cura. Mesmo sem a mínima confiança e determinação, ela decide partir em peregrinação para lá.

É nessa jornada que Gabriela começa a relembrar toda a sua vida desde a infância, e assim emergem muitas questões filosóficas e existenciais. Sem saber o que a aguarda na Europa, ela sente que uma presença poderosa a acompanha e que, talvez, lá possa encontrar as respostas para as dúvidas que lhe afligem a alma.

No primeiro livro de sua trilogia de ficção dedicada a Nossa Senhora, Pedro Siqueira mantém a escrita próxima do leitor sem deixar de lado assuntos profundos da espiritualidade, mas sempre mostrando que o melhor caminho está no nosso interior.



Senhora dos Ares, de Pedro Siqueira

Durante a Segunda Guerra Mundial, uma esquadrilha da Força Aérea dos Estados Unidos não consegue completar uma missão na Itália devido a um fenômeno inexplicável. Quando sobrevoam o monte Gargano, os militares têm uma visão sobrenatural que os aterroriza e os faz voltar para a base.

O que poderia ser apenas um ataque militar frustrado acaba se tornando o ponto de partida para a conversão de dois oficiais. Curiosos para desvendar o misterioso evento, Connors e Bloom vão até um convento na cidade de San Giovanni Rotondo, onde pode estar a resposta para suas dúvidas.

Muitos anos depois, no leito do hospital, Connors sente que ainda precisa completar a missão de dar um rumo à vida do filho, Rafael, e lhe entrega um envelope, pedindo que o abra após sua morte. Quando é chegada a hora, o rapaz se depara com um bilhete contendo o último pedido de Connors: ele deve partir para uma cidade desconhecida à procura do que o pai chama de “verdadeiro caminho”.
Essa viagem permitirá que o jovem relembre todas as fabulosas histórias do pai e inicie uma jornada de autoconhecimento, abalando seus conceitos sobre a vida, a fé e o amor.

No segundo livro da trilogia iniciada com Senhora das águas, Pedro Siqueira constrói mais uma história tocante sobre a busca pela espiritualidade, retomando sua forte conexão com Nossa Senhora.



Lançamentos incríveis, não é mesmo? Contem para nós quais mais os atraíram!

16 março 2017
♥ Sâmella Raissa ♥

Resenha de Livro #220: De Olhos Fechados - Lavínia Rocha

Título: De Olhos Fechados
Autor: Lavínia Rocha
Editora: D'Plácido
ISBN: 9788567020891
Ano: 2014
Páginas: 253
Classificação
   

Desde pequena Cecília sabe o que é viver no escuro - afinal, é cega de nascença. Mas tal deficiência nunca empatou a garota de ser ela mesma. Com seu jeito teimoso e eventualmente irônico de agir e falar, o que ela mais quer alcançar cada vez mais é independência para viver ainda mais novas experiências, o que acaba começando de forma um tanto quanto inusitada e atrapalhada ao conhecer Tiago, recém-chegado no colégio onde ela estuda, já se encantando pela garota e engatando em uma amizade da qual nem ela, com toda sua teimosia, poderá escapar. E a partir do momento em que a confiança entre ambos surge, acompanhada de novos sentimentos, a aventura se dará início com uma série de mensagens estranhas e misteriosas que Cecília anda recebendo aleatoriamente, e que podem trazer revelações e englobar questões maiores do que eles imaginam.

Já tinha muito tempo que eu queria conhecer os livros da Lavínia, desde que havia descoberto este como sendo protagonizado por uma personagem com deficiência visual. Não sei se vocês sabem ou se eu já comentei por aqui, mas gosto muito de histórias com essa temática, principalmente se fazem uma apresentação real e cheia de superação do personagem, ultrapassando suas limitações, o que é bastante o caso de De Olhos Fechados. Cecília é uma personagem que desde o primeiro momento, apesar de às vezes ser um pouco arredia e irônica, cativa o leitor de um jeito único, fazendo a leitura fluir de forma ainda mais rápida e leve.
“— Eu sinto a falta dela, Luna. E você sabe que isso que sentimos quando pensamos nela nunca vai passar. É uma ferida. Mas nós ainda estamos vivas, com o mundo à nossa espera, não podemos fechar as portas para a felicidade que quer entrar.
— Que ela entre pela janela.
— Acontece que as suas janelas estão fechadas também.”
O início é mais uma apresentação do cotidiano da personagem, por entre o colégio, com os melhores amigos Bianca e Diego, a chegada de Tiago e a vida em casa, com o pai super-protetor e a irmã caçula Luna, de quem tem sido o modelo quase materno da família desde a morte da mãe há alguns poucos anos. Desde então, ela já recebia papéis aleatórios cujas mensagens misteriosas já confundiam sua mente, mas ela só vai dar real atenção à elas após sua amizade com Tiago se firmar ainda mais e ele próprio incentivá-la a descobrir o que os papéis significam, uma vez que elas começam a ficar ainda mais ameaçadoras conforme o tempo vai passando, deixando um tom de suspense e mistério na narrativa que só aumenta à medida que eles passam a procurar pistas dentro das charadas contidas nas mensagens, descobrindo, porém, que tudo só é mais perigoso do que eles achavam à princípio.


É assim que a trama vai ganhando nuances, ora cenas mais leves e descontraídas em família e amigos, ora com momentos mais tensos e cheios de adrenalina por entre as escapadelas dos personagens para correr atrás de pistas e descobrir o que tudo significa. E, gente, eu definitivamente não esperava nada do que esse mistério todo reservava à sua revelação; a autora, no fim das contas, trabalha com um plot tão diferenciado e intrínseco, mas igualmente bem desenvolvido e coerente com a história que, realmente, meus parabéns à Lavínia! De repente as coisas se revelam como algo tão único, ao menos para mim, que não tive como não me surpreender e me satisfazer com o desfecho da história, que conseguiu encobrir até mesmo um pouco das visíveis cenas no decorrer do livro como um todo que transcorreram ou mudaram de uma para outra de uma forma muito abrupta, mas que não atrapalharam realmente a leitura.

Assim sendo, De Olhos Fechados conclui-se como uma leitura que leva o leitor das risadas à tensão, dos suspiros às revelações mais inesperadas, com um elenco de personagens muito cativantes e divertidos, mais um romance que me deixou toda boba e com o qual eu tanto me identifico, além de uma protagonista que, por entre seus defeitos e qualidades, destaca-se por ser simplesmente humana, e por procurar ir além de suas limitações! Uma leitura que eu recomendo demais, e mal posso esperar por ler mais da autora!